Negociar ações na bolsa de valores faz parte da rotina de muitos operadores. Mas você sabe como as ações das empresas chegam até a bolsa?

O que leva uma empresa a abrir o capital na bolsa de valores?

Para as empresas, disponibilizarem suas ações na bolsa de valores tem diversas vantagens.

Em primeiro lugar, a abertura de capital é uma fonte de recursos ilimitada. Desde que a empresa mantenha projetos rentáveis e uma estrutura estável, será interessante para investidores financiá-la.

Além disso, o financiamento através da oferta de ações, normalmente, tem menor custo do que a captação de recursos por meio de dívidas.

Ademais, a visibilidade da empresa aumenta consideravelmente, já que a imprensa passa a mencioná-la com maior frequência e os analistas e traders passam a acompanhar a cotação de suas ações.

Por fim, as exigências da legislação para que uma companhia possa abrir seu capital fazem com que o seu nível de governança corporativa seja elevado.

Como as empresas abrem seu capital na bolsa de valores?

Tomada a decisão de abrir seu capital, a empresa precisa realizar o registro como companhia aberta na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), órgão que regula o mercado acionário e concede a permissão para que as organizações sejam listadas na bolsa.

Em seguida, é necessário o lançamento de um prospecto de oferta. Trata-se de um documento contendo todas as informações sobre a empresa, como planos para o futuro, quadro administrativo, distribuição das ações, etc.

O que é e como funciona o IPO?

A sigla IPO significa Initial Public Offering (Oferta Pública Inicial) e representa a primeira oferta pública de ações de uma empresa de capital aberto no mercado. Ou seja, é o lançamento das ações de uma companhia pela primeira vez na bolsa.

Existem dois tipos de oferta pública.

– Oferta Pública Primária

A oferta primária acontece quando os recursos captados através das vendas das ações têm como destino o caixa da empresa. O objetivo da captação dos recursos é arrecadar capital para a companhia.

– Oferta Pública Secundária

A oferta secundária se dá quando sócios da empresa vendem sua participação através das ações na bolsa. Ou seja, os recursos captados serão destinados ao vendedor, e não à empresa.

Vantagens do IPO para as empresas

O IPO é um divisor de águas para as empresas, no que diz respeito à relevância delas no mercado.

Uma das vantagens do IPO é o grande aumento do capital disponível para expandir seus negócios, investir em novos projetos e quitar dívidas.

Outro ponto positivo é o fato de que, com a mudança de patamar da empresa, cada vez mais profissionais capacitados terão interesse em trabalhar nela. Além disso, existe a possibilidade de negociação de parte do pagamento através de ações da companhia.

Desvantagens do IPO para as empresas

O processo para abertura de capital é longo, caro e burocrático. São necessários muito tempo e empenho dos funcionários de cargos mais altos da empresa, o que pode acabar prejudicando temporariamente o dia a dia da companhia.

Além disso, a partir do momento que está inserida na bolsa de valores, a empresa passa a sofrer maior fiscalização, o que pode fazer com que fique mais exposta.

No Brasil, a expectativa é que no ano de 2019 tenhamos um número maior de IPOs, já que, em 2017, apenas nove empresas abriram seu capital na bolsa de valores.

Entre as novatas na bolsa brasileira, o Carrefour Brasil, que abriu seu capital em julho de 2017, obteve o maior IPO desde a estreia da BB Seguridade, em 2013. Com ações precificadas entre R$15,00 e R$19,00, a movimentação inicial foi de R$5,125 bilhões, considerando as ofertas primárias e secundárias.

Já em 2018, um grande destaque tem sido a jovem Stone, que em outubro teve o lançamento do seu IPO na Nasdaq, segunda maior bolsa de valores do mundo.

A empresa, especializada em máquinas de pagamentos em cartão, foi criada em 2012. Apenas seis anos depois, não só abriu seu capital na Nasdaq, como chamou atenção de gigantes como Warren Buffet e da chinesa Alibaba.

A expectativa dos sócios é de arrecadar pelo menos U$$1,1 bilhão com a abertura de capital.

O número de IPOs lançados, normalmente, mostra saúde da economia de um determinado país. Uma maior quantidade de empresas abrindo seu capital para o mercado mostra boas perspectivas de crescimento para o futuro. A B3 ainda tem um longo caminho para alcançar as principais bolsas mundiais em termos de novos lançamentos. Para se ter uma ideia, em recente evento realizado pela Infomoney, o Presidente da B3, em seu discurso, relatou que na bolsa chinesa há uma solicitação de IPO por dia.

A expectativa é que, em 2019, tenhamos uma retomada da atividade da economia brasileira e que a retomada da confiança do empresário motive novos lançamentos de ações na bolsa local.

Rafael Mendes

About Rafael Mendes

Formado em direito, com MBA em Gestão de Projetos e certificado pelo Sebrae em Análise e Planejamento Financeiro. Atualmente, é operador de dólar, índices e ações, além de responsável pela geração de conteúdo da WM e por auxiliar na área educacional.

Leave a Reply