Viver de mercado financeiro é o sonho de muitos. Cria-se muita ilusão em torno da “vida de trader”, que inclui viver em qualquer lugar do mundo, não ter chefe, não ter que lidar com clientes e trabalhar poucas horas por dia. Caso você compartilhe desses sonhos, lamento, mas no mercado financeiro será difícil alcançar.

A não ser que você tenha herdado uma quantia significativa de seus ancestrais, este mercado te demandará muito estudo, comprometimento e disciplina, além de lhe propiciar alguns dias bem estressantes. Mas afinal, é possível viver dele? Como? É o que falaremos a seguir.

Reservas financeiras

Caso você não seja um herdeiro abastado, o primeiro passo para começar a investir será acumular uma reserva financeira. O dinheiro é a ferramenta de trabalho principal de quem almeja obter retorno neste mercado. Dinheiro atrai dinheiro, afinal, quanto maior a margem alocada na corretora, maior será o seu poder de compra (buying power).

Para quem está iniciando, é importante que esta reserva de capital não seja utilizada para custear a manutenção do padrão de vida. Tomadas as devidas proporções, será preciso encarar este recurso como um investimento num empreendimento próprio que servirá para alcançar a rentabilidade almejada.

Busca por conhecimento

Com a reserva financeira alcançada, o próximo passo será buscar conhecimento. Sem o devido know-how sobre cada ativo em que se pretende investir, o mercado financeiro se assemelhará a um cassino e os retornos dificilmente serão consistentes.

Existem inúmeros cursos de qualidade disponíveis no mercado. Duvide daqueles que prometem retornos fáceis e sem esforço, pois, se o mercado financeiro garantisse sucesso nessas condições, não teríamos médicos, empresários, advogados – estariam todos operando na bolsa de valores.

Há uma infinidade de ativos financeiros separados em dois grandes grupos: ativos de renda fixa (CDB, LCI, LCA, títulos públicos, entre outros) e ativos de renda variável (ações, opções, derivativos, entre outros). Através da capacitação, o investidor terá condições de escolher os instrumentos financeiros que mais se adequam ao seu perfil e definir em quais mercados ele irá atuar.

O autoconhecimento exercerá um papel importantíssimo nessa escolha, uma vez que o apetite e a tolerância ao risco são questões subjetivas.

Definição de estratégias e disciplina operacional

Definidos os ativos e os mercados em que o investidor pretende atuar, será preciso definir estratégias operacionais e financeiras. As estratégias operacionais dizem a respeito a que tipo de operações o investidor irá realizar. Em ativos de renda variável, elas se dividem basicamente em:

a) operações day trade, em que se compra ou vende ativos e encerra a operação no mesmo dia;

b) operações swing trade, em que ele compra ou vende ativos pra manter a posição durante uma a três semanas, se aproveitando da variação de preços;

c) investimentos de longo prazo, em que o investidor procura montar uma carteira de ações analisando seus fundamentos.

É preciso conhecer a fundo as vantagens e desvantagens de cada uma delas. Já na estratégia financeira, será definida a parcela de dinheiro que será destinada a ativos de renda fixa e a que será destinada para ativos de renda variável. Essa decisão levará em conta o nível de risco tolerado, a rentabilidade almejada e o prazo pelo qual o investidor poderá dispor daquele capital sem passar necessidades.

Por fim, será primordial que o investidor tenha disciplina para executar seu planejamento e reavaliá-lo periodicamente a fim de tomar medidas corretivas.

É possível?

Isso posto, passamos à pergunta central do presente artigo: é possível viver de mercado financeiro?

Existem inúmeras pessoas que conseguem sobreviver exclusivamente com os retornos obtidos no mercado. Essas pessoas, normalmente, são as que compreenderam que, para ter sucesso em qualquer atividade humana, é preciso muito esforço, dedicação e disciplina. As histórias desses investidores de sucesso são diferentes, mas o desenvolvimento de habilidades técnicas e comportamentais está presente em todas elas.

Assim sendo, acreditamos que a resposta é sim! Entretanto, cada pessoa precisará passar por um momento de reflexão antes de sair por aí colocando suas reservas em risco. Temos a convicção de que todos aqueles dispostos a buscar conhecimento e engajados em passar por um processo de melhoria contínua terão chances reais de obter retornos satisfatórios e viver com o dinheiro obtido no mercado financeiro.

Rafael Mendes

About Rafael Mendes

Formado em direito, com MBA em Gestão de Projetos e certificado pelo Sebrae em Análise e Planejamento Financeiro. Atualmente, é operador de dólar, índices e ações, além de responsável pela geração de conteúdo da WM e por auxiliar na área educacional.

Leave a Reply